Bolsonaro como um parêntese na história brasileira?

Por Bernardo Ricupero
Benedetto Croce perguntou, pouco antes de chegar ao fim o domínio do fascismo na Itália: “o que é na nossa história um parêntese de vinte anos?”. Mais recentemente, Joe Biden defendeu, na sua vitoriosa campanha presidencial, trazer os EUA “de volta à decência”, depois do desvio que representariam os anos Trump.

O governo Bolsonaro em seu nono mês: tentativa de interpretação

Por Christian Edward Cyril Lynch
O atual governo, em seu nono mês, já dá alguns sinais de ter estabelecido um padrão ostensivo de governança diferente do velho presidencialismo de coalizão da Nova República. Este pequeno ensaio em duas partes tenta descrever a teoria de ação por ele adotada nos seus primeiros oito meses, sem qualquer pretensão de examiná-lo em sua totalidade.

Itaipu: Brasil e Paraguai em tenebrosas transações

Por Emilio Alapanian Colmán
Nas últimas semanas jornais paraguaios e brasileiros repercutiram a crise e a mobilização nacional que tomou conta do país vizinho a partir da renúncia do ex-presidente da Administración Nacional de Electricidad (ANDE), o engenheiro Pedro Ferreira, em 25 de julho. A crise levou o governo colorado de Mario Abdo Benítez (ANR-Partido Colorado), o Marito, a vislumbrar o abismo do impeachment, cujo pedido foi protocolado no Congresso dia 6 de agosto.

O Bebê de Rosemary. Sobre um artigo de Brasilio Sallum Jr.

Por Sebastião Velasco e Cruz
e Andrei Koerner
Era sabido e foi, no tempo devido, muitas vezes declarado: o móvel da mobilização extraordinária que pôs em transe a política brasileira alguns anos atrás não era o afastamento da presidenta recém-eleita para o seu segundo mandato, mas a criação das condições requeridas para uma inflexão drástica nos rumos do paí

Diplomacia Mickey Mouse: a obsessão de Bolsonaro pelo governo Trump

Por Roberto Goulart Menezes
Para quem acompanha os temas de política externa do País, os seis primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro parecem reduzi-los ao seu relacionamento com os Estados Unidos. A obsessão do presidente brasileiro com Washington parece não encontrar paralelo na história recente do País.