A atual crise argentina é, também, uma crise de política externa

Por Matheus de Oliveira Pereira
Uma vez mais, as notícias que chegam da Argentina informam a ocorrência de uma grave crise econômica que se mostra insensível às iniciativas de enfrentamento do governo de Maurício Macri. Empossado em dezembro de 2015, Macri, que assumiu o governo prometendo “pobreza zero” no país, chega ao último ano de seu mandato ostentando alguns dos piores indicadores das últimas décadas.

“O equilíbrio entre a acusação e defesa é rompido e compromete a imparcialidade da Justiça”, afirma Fábio Kerche

Em 2018, a revista Lua Nova publicou “Ministério Público, Lava Jato e Mãos Limpas”, de autoria de Fábio Kerche (FCRB/UNIRIO/IESP-UERJ), que já discutia a proximidade e sintonia entre o então juiz federal Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e da Segurança Pública, e os procuradores responsáveis pelas investigações da Operação Lava-Jato.

Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Universidades em Tempos de Crise: notas sobre a experiência brasileira e estadunidense

Por Karen Fernandez

É com frequência que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) exalta sua admiração e seu amor pelos Estados Unidos, bem como o lugar privilegiado que o país terá, ao longo de seu governo, nas relações com o Brasil[2]. As repetidas frases de exaltação da grande potência, o pressuposto de que ela constitui um modelo a ser seguido e a perspectiva de aprofundamento, sem qualquer ponderação, das relações entre Brasil e Estados Unidos no contexto dos recentes cortes anunciados pelo governo brasileiro, nas áreas de Educação e de Ciência, Tecnologia e Inovação[3], impõem a necessidade de se refletir sobre como os Estados Unidos financiam suas atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), bem como sobre o lugar da ciência e da inovação no seu desenvolvimento.

RESENHA DE: DUBET, FRANÇOIS. LE TEMPS DES PASSIONS TRISTES: INÉGALITÉS ET POPULISME. PARIS: ÉDITIONS DU SEUIL ET LA RÉPUBLIQUE DES IDÉES, 2019.

Por Deisy Ventura
Dar-se ao trabalho de sair de casa para lutar contra os direitos alheios parece ser uma ideia de outros tempos, em geral prenúncio de guerras e crimes contra a humanidade. A ideia retornou, porém, e com toda a força, ao nosso presente. Impressiona a mobilização de grandes contingentes de pessoas que parecem inebriadas por personagens grotescos, em torno de palavras de ordem que são infames tanto por seu teor ofensivo como por seu fundamento: achismo, desprezo por toda forma de conhecimento ou evidência científica, doutrinação religiosa ou simples mentira.

Seção Memória – Entrevista Prof. Tullo Vigevani [parte II]

Por Angelo Lira e Leonardo Octavio Belinelli de Brito

Na segunda parte da entrevista concedida pelo professor Tullo Vigevani (Unesp) para a Seção Memória, o entrevistado avalia a recepção e os impactos da Revista Lua Nova, destaca sua importância na reflexão política e analisa as projeções futuras do perfil do periódico. O Prof. Tullo Vigevani é pesquisador do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (CEDEC) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos dos Estados Unidos (INCT-INEU).

Francisco de Oliveira: um intelectual público e as contradições de um país

Por Fernando Perlatto
É difícil mensurar a durabilidade de uma obra intelectual. Muitas vezes, aqueles autores muito lidos e citados em seu tempo, desaparecem na poeira da história. Outros, cuja recepção foi discreta, quando não refratária, no momento mesmo em que produziram seus textos, são retomados em tempos futuros, recebendo consagração tardia. Nesse sentido, ainda que seja impossível estabelecer qualquer previsão sobre a solidez de uma obra, é sim factível pensar que alguns autores irão, de algum modo, permanecer.

Francisco de Oliveira: contundência sem sectarismo

Por Leonardo Octavio Belinelli de Brito
Ontem, dia 10 de julho, faleceu Chico de Oliveira, autor de alguns dos ensaios mais provocantes da história da economia política brasileira. Talvez porque, na sempre lembrada observação de Roberto Schwarz, Chico era um “mestre da dialética” .  É o mesmo Schwarz quem nota que seus ensaios carregavam um misto, tão raro, de contundência sem sectarismo. Como isso é possível?

Trabalho, siderurgia e ação coletiva na Amazônia Oriental brasileira

Por Marcelo Sampaio Carneiro e José Ricardo Ramalho
A Amazônia Oriental brasileira, desde meados do século XX, tem passado por diferentes processos de intervenção econômica associados a projetos de desenvolvimento. Com o objetivo de industrializar a região, a implantação de polos siderúrgicos nos municípios de Açailândia (MA) e Marabá (PA) representou uma das iniciativas mais importantes da ação estatal, com desdobramentos complexos em termos de relações econômicas e sociais.

Seção Memória – Entrevista Prof. Tullo Vigevani [parte I]

Por Angelo Lira e Leonardo Octavio Belinelli de Brito

Na primeira parte da entrevista concedida pelo professor Tullo Vigevani (Unesp) para a Seção Memória, o entrevistado relembra seus momentos na editoria da Revista Lua Nova, destacando os desafios de financiamento e distribuição da revista, além das transformações no formato do periódico ao longo do tempo. O Prof. Tullo Vigevani é pesquisador do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (CEDEC) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos dos Estados Unidos (INCT-INEU).

A Política Imigratória da Administração Trump. Quais bárbaros nos portões?

Por Neusa Maria Pereira Bojikian
A campanha presidencial de Donald Trump amparou-se fortemente na questão imigratória. Em 2015, sem meias palavras, o então candidato republicano associou os imigrantes a criminosos violentos como estupradores e terroristas. Trump imprimiu como sua marca de campanha a promessa de construir um grande muro na fronteira entre Estados Unidos e México, obra a ser supostamente custeada pelo país hispano-americano.  A

1 2 3 15