Resenha de: GRESPAN, Jorge. Marx e a crítica do modo de representação capitalista. São Paulo: Boitempo, 2019.

Por Bruna Della Torre
Para baixo, na toca do coelho. Quando Alice adentrou o país das maravilhas, notou que havia acontecido tantas coisas fora de lugar que pouca coisa parecia ser de fato impossível. Assim como Alice segue o coelho, Grespan segue Marx na investigação desse mundo invertido, de ponta-cabeça, opaco, onde as coisas não seguem a lógica tradicional e acontecem fora de lugar, que é o mundo capitalista. Aqui também pouca coisa parece impossível: o que não é vivo ganha vida; o que não tem valor ganha preço e as relações sociais tornam-se coisas. São as determinações da opacidade desse mundo, seu modo de representação, em analogia ao modo de produção capitalista, que Grespan busca explicar.

Resenha de Tese – A questão do Estado na Teoria Marxista da Dependência

Por Maíra Machado Bichir
A tese, desenvolvida no bojo de uma recuperação da produção teórica de Ruy Mauro Marini, Vânia Bambirra e Theotônio dos Santos, teve por objetivo analisar o lugar dedicado em suas obras, entre os anos de 1965 a 1979 – período no qual se concentram suas principais formulações sobre a problemática da dependência –, à reflexão sobre o Estado nos países dependentes latino-americanos.

Resenha de: KAYSEL, André. Entre a nação e a revolução: marxismo e nacionalismo no Peru e no Brasil (1928-1964). São Paulo: Alameda, 2018.

Por Isabella Meucci
Um dos maiores problemas do marxismo latino-americano é o permanente “desencontro” entre o materialismo histórico e a América Latina. O recente livro de André Kaysel, fruto de sua tese de doutoramento na Universidade de São Paulo (USP), nos fornece pistas para uma melhor compreensão dessa problemática, especialmente ao apresentá-la como pano de fundo de seu objeto central: as relações contraditórias entre o nacionalismo popular e o marxismo de matriz comunista no Peru e no Brasil.