Qual o preço da privacidade do cidadão brasileiro?

Por  Thatiane Faria Oliveira Moreira
A agenda de privatizações do atual governo brasileiro inclui, entre as estatais que estão na mira para serem vendidas, duas empresas pouco conhecidas da maioria dos brasileiros. Ambas, entretanto, detêm informações sensíveis dos cidadãos, já que atendem com serviços de Tecnologia da Informação (TI) os principais órgãos governamentais. Trata-se da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) e do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Democracia e o problema da verdade na era das fake news

Por Renato Francisquini
Nos últimos anos, assistimos atônitos à proliferação de um sem número de narrativas cuja relação com os fatos não passa, para dizer o mínimo, de pura especulação. Por certo, não se trata de fenômeno inédito ou exclusivo do contexto atual, marcado pela quebra do monopólio da imprensa tradicional na difusão de notícias e na interpretação da realidade.

Memórias de um Carnaval: reconhecimento facial e vigilância contemporânea

Por Álvaro Okura de Almeida, Alexandre Arns Gonzales, Rafael Sanches e Tathiane Moreira
A intensificação da vigilância e a securitização cotidiana da vida urbana não tiram folga nem durante o Carnaval. Além da subversão autorizada, temporária e anônima dos valores e hierarquias sociais e políticas, nossa tradicional festa foi também atravessada por uma vontade de disciplina e controle.

Bolsonaro e as redes sociais: nas eleições e depois

Por Alexandre Arns Gonzales
Álvaro Okura de Almeida
Rafael Sanches
Thatiane Oliveira Moreira

– Ainda levaremos alguns anos para reconstruir os processos de mobilização social que, juntos e desordenadamente, resultaram na eleição de Jair Bolsonaro (PSL). Podemos aventar uma série de hipóteses e variáveis políticas e sociais como possíveis explicações para a improvável vitória do deputado sabidamente racista, machista e apoiador da ditadura.